Compartilhe
avatar
Admin
Mensagens : 19
Data de inscrição : 18/04/2017
Idade : 20
Localização : r29512
Ver perfil do usuário
29072018

Kardia City - Religião

Local ideal para crentes na superioridade do deus pokémon, Arceus. Kardia é uma cidade considerada sagrada, com uma crença absoluta no primeiro pokémon. Religiosos de todo o mundo buscavam moradia na cidade ou apenas uma visita em seus principais monumentos. Independente de todos os pokémons criados por Arceus, como Mew, Dialga, Palkia e até mesmo Giratina, que é considerado como um ser malígno para eles, há uma monarquia absoluta de respeito e adoração pelo chamado por eles "criador de todo o universo". O consideram como o salvador, aquele que fará o julgamento final. O único que tem o poder de purificar todo o mal que existe no mundo, todos os pensamentos perversos e entre outras coisas.

Tecnopolis City - Tecnologia

Ciência é o princípio do universo. A tecnologia está presente em todo o mundo pokémon atual, e grande parte disso vinha das pesquisas árduas dos profissionais pokémon da cidade de Tecnopolis. Sua rixa com a Cidade de Kardia é notável, seus pensamentos são bastante divergentes, as crenças dos cidadãos de Tecnópolis creem que tudo está relacionado a ciência. E por serem a principal fonte de evolução no mundo atualmente, só aumenta a rivalidade, já que os cidadãos de kardia acreditam que tudo está acontecendo com as decisões de Arceus, e tudo está acontecendo na forma de mãos humanas, modificando o mundo.
Compartilhar este artigo em:diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Comentários

avatar
em Dom Jul 29, 2018 2:19 pmChiyorin

Elysius City

A cidade daqueles que possuem bom coração e prezam sempre a paz e justiça mútua é dotada das mais diversificadas culturas. Todos aqueles que habitam esta região são criados desde pequenos para lutarem a favor do que é correto, utilizando-se de sua virtude e honra. Embora assim como os demais residentes da região de NOME DA REGIÃO acreditem nos deuses Pokémon, são opositores dos religiosos que impõe suas respectivas fé cegas, implicando que isto apenas trará caos a era atual.

Tártaros City

Embora tenham suas respectivas crenças no deus Pokémon, os residentes locais não acreditam que devam desempenhar qualquer ato que difira de seus ideais, o que os torna excessivamente ambiciosos. O centro da capital é regido por militares que difundem a crença de dominação para os demais moradores, fazendo-os crer que devam ascender sobre todas as demais cidades ao redor.
avatar
em Dom Jul 29, 2018 3:03 pmChiyorin
O surgimento do universo Pokémon sempre fora uma antiga lenda cuja veracidade é até hoje desconhecida pelos residentes da região de Erilea. A história diz que tudo iniciou-se quando um pequeno grupo de residentes da antiga região explorava templos espalhados pelos mais diversificados locais — cinco, ao todo — onde neles puderam deslumbrar as mais magníficas estruturas de criaturas nunca presenciadas na qual, abaixo de cada uma delas um conjunto de símbolos organizavam-se formando uma linguagem até então incompreensível para aqueles que as liam.

Não demorou muito para que o ocorrido espalhasse-se. Estudiosos e curiosos visitavam diariamente os templos a fim de obter respostas sobre o que aquilo havia de significar, algo sem retorno aparente já que todos falhavam dia a dia. Até que um dia uma pequena criança acompanhada de sua família ousou tocar a estrutura igualmente pequena a sua frente, estatua esta que possuía uma comprida cauda, olhos grandes e patas ponte agudas. — Não é conhecido o que ocorreu após isso, se não o que fora dito pelos membros daquela família que estavam no recinto. — As escrituras contidas nos grandes blocos de pedra que sustentavam as estruturas começaram a reluzir em um feixe esbranquiçado, a luz do ambiente fora se tornando cada vez mais fosca até atingir um negro profundo. Um domo de pura escuridão formou-se ao redor da pequena família ali presente, permitindo-lhes visualizar unicamente o que ocorria fora do semi circulo. — Fora daquela dimensão paralela, como mencionou o filho mais velho. — Fora daquele espaço, como decretaram os historiadores. Segundos se passaram dentro daquele espaço alternativo, ninguém se movia, nada existia ou residia aquela região. Além disto, nada parecia mais existir no mundo real, os animais não corriam ou cantavam, o sol não mais cintilava variações de iluminação, as nuvens não moviam-se com o vento, este que por sua vez aparentava não assoprar mais. Era como se o tempo houvesse parado.

A família não podia compreender o que estava ocorrendo naquele instante. O pai retirou de sua bolsa de couro, uma esfera rochosa de porte médio e ao segurar com ambas as mãos a abriu enquanto entoava o nome de uma criatura. Um Pokémon. — Pidgeot. — Um feixe de luz surgiu desta esfera, a fim de projetar o Pokémon que segundo os objetivos internos do homem, deveria romper as barreiras do espaço, libertando a família com seu voo imponentemente belo. Mas algo diferente ocorreu, e a luz projetada fora absorvida pelas escrituras reluzentes que só então cessaram sua luz.

O que fora proferido pela família após isso são memórias vagas. O domo de escuridão aprofundou-se mais ainda fazendo com que qualquer contato com o mundo externo se extinguisse por completo. A estátua do pequeno ser pouco a pouco desaparecia na escuridão, dando origem a uma esfera de aspecto oval que cintilava no horizonte de escuridão, as letras que anteriormente eram encontradas unicamente na base da pequena estrutura, e que haviam desaparecido junto com a mesma, agora surgiam do horizonte, maiores, com maior contraste e fluidez. Estavam vivas. Inúmeros símbolos das mais distintas formas envolviam a família que não conseguiam concentrar-se no que ocorria naquele espaço já que não se decidiam se prestavam a devida atenção as letras que pareciam se organizar a fim de formar palavras, desta vez compreensíveis, ou se fixavam-se no ovo longinquou que a cada segundo brilhava e crescia mais e mais, até que eclodiu liberando um brilho que fora capaz de ofuscar toda escuridão ali presente. — Nada mais era visível para a família — até que um pequeno numero de símbolos aglomeraram-se a sua frente e formaram quatro palavras de forma ritma e progressiva.

"Arceus"

"Mew"

"O criador"

Um pequeno ser de tonalidade rosa sobrevoou o espaço esbranquiçado pela luz, rondando a família. Sua aparência assemelhava-se a estatueta tocada pelo filho mais novo, e assim como o mesmo havia feito, a entidade desconhecida tocou sua testa em um gesto de brincadeira enquanto envolvia seu corpo com sua cauda, provocando divertimento a criança que ria em conjunto com aquele ser. Com aquele Pokémon. — Mew — A luz cintilante tornava-se cada vez mais fosca, como se seu brilho se extinguisse. Mew começou a sobrevoar a família novamente até que partiu para o ponto mais profundo daquela luz, desaparecendo antes que a mesma o fizesse. Quatro rugidos foram ouvidos pela família naquele instante, ao ritmo que os símbolos retornavam a fim de formar uma nova frase.

"Este é o templo da vida"
"Essa é a história do nascimento da criação"
"Espaço"
"Tempo"
"Anti matéria"
"Criação"
"Cinco templos"
"Conheçam a história..."
"Do mundo"
"Nós"
"Unown"
"Contaremos"

Os símbolos vivos desapareceram pouco a pouco junto com o brilho ali presente. A estrutura com a aparência de Mew pouco a pouco retornava assim como o ambiente do templo. As escrituras pararam com seu brilho, o espaço alternativo desapareceu, o tempo do mundo afora voltou a fluir. Pouco foi compreendido naquele dia, mas os familiares optaram que lutariam atrás de resposta. Dia a dia, templo a templo, um toque do filho mais novo sobre as estatuas, um sacrifício de seus próprios Pokémon assim como fora com Pidgeot. Fragmentos dos mistérios ali escritos foram sendo traduzidos pelos Unown ao ritmo imagens grandes demais para suas mentes humanas lhe eram reveladas.

Mas isto, é uma outra história...

Conteúdo patrocinado
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum